Nesta série, “O que tem nele que falta em mim”, já fomos reiteradas acerca de alguns aspectos da masculinidade bíblica, numa abordage...

Série: O que tem nele que falta em mim - As características da masculinidade que uma moça cristã busca em um rapaz

6 Comentários

Nesta série, “O que tem nele que falta em mim”, já fomos reiteradas acerca de alguns aspectos da masculinidade bíblica, numa abordagem Complementarista, e todo esse vislumbre bíblico, nos traz a percepção da tamanha penúria existente em nosso meio, da masculinidade conforme instituída por Deus.

Tanto homens como mulheres precisam resgatar os seus papéis à luz do evangelho da graça de Deus, ainda que nos tempos pós-modernos. Ambos precisam atentar para o padrão bíblico de casamento, e há beleza em seus princípios. O Senhor Deus criou homem e mulher com funções definidas e complementares, que refletem a Sua própria imagem e caráter, O glorificam e resultam na própria alegria e satisfação deles.

No presente texto veremos algumas características da masculinidade que uma moça cristã precisa buscar em um rapaz. Antes de tudo, a escolha de um cônjuge é uma das escolhas mais desafiadoras da vida, e também uma das mais difíceis. Uma moça cristã que decide se comprometer em matrimônio com um homem, está decidindo, com isso, compartilhar todo o restante de seus dias com ele, abdicando de sua própria individualidade e de seus direitos de solteira, a fim de permanecer sua única vida com ele. É natural que surjam dúvidas, do que essa moça deve esperar de um rapaz. Abaixo, veremos algumas características que são essenciais nesse entendimento.

Ele é servo

Num mundo onde o egocentrismo e o humanismo imperam, precisamos atentar para sua disposição quanto ao serviço. A humildade é uma característica indispensável num homem de Deus, que entende que o Único que deve ser servido é o Seu Senhor, e que esse mesmo Senhor um dia se humilhou e se sacrificou pelos pecadores, em serviço a Deus (Fp 2:5-8). Então, ele não ousa ser maior do que o seu Mestre, antes vive em serviço para agradar a Ele, servindo aos outros em amor (I Co 10:24, Ef 4:21, Fp 2:3-4). O serviço contrapõe o orgulho e o egoísmo naturais de um homem, e ao invés de ele querer ser superior à sua esposa, a tratará com honra (I Pe 3:7), pois é seu servo, assim como ela é sua serva, e ambos progridem diante do Senhor. Casamento é mais sobre servir do que buscar seus próprios interesses, é sobre buscar a felicidade do outro, e nisso encontrar a sua felicidade. Quando o serviço não é vivenciado no casamento, muitos conflitos vêm à tona, que geram, por sua vez, rancor, tristeza, insegurança, ira e infelicidade, e isso não apenas ao casal, mas aos filhos e aos que com eles estão relacionados.

O homem que é servo é o tipo de pessoa que está à disposição de quem precisa, e muito mais, ele está a serviço da mulher que ama, reconhecendo a sua dignidade. Eric Ludy ao pedir Leslie Ludy em casamento ilustra a humildade, ao demonstrar a sua disposição em serví-la:

“Eu delicadamente mergulhei minhas mãos na vasilha de água. Meus dedos umedeceram-se, tomei seu pé delicado e tentei representar a humildade de Cristo para ela [...] A lavagem de pés nunca foi um ato glamuroso, mas nesse dia, ao molhar e secar os pés de Leslie, descobri que era uma cena brilhante de romantismo. Sou seu servo para guiá-la ao seu verdadeiro Noivo, disse enquanto calçava nela seus sapatos de cetim.”¹

Ele é líder

"Quero, entretanto, que saibais ser Cristo, o cabeça de todo homem, e o homem, o cabeça da mulher, e Deus, o cabeça de Cristo". (I Co 11.3)

Deus instituiu o homem com a função de liderança sobre a sua esposa, e essa é uma característica exclusiva da masculinidade. Sobre isso, John Crotts² afirma que:

“A esposa quer ser liderada por seu marido porque Deus a designou para ser liderada.”

Não há nada de indecoroso ou repulsivo nas funções de liderança e submissão, quando elas são vistas à luz do Evangelho da graça de Deus. Liderança e submissão compõem os propósitos de Deus no casamento para as suas amadas criaturas, e todos os Seus propósitos são bons. Essas funções vão além do contexto da criação: estão presentes no Criador. Cristo se submeteu de tal forma ao Pai, que se entregou em favor dos pecadores, sendo obediente até a morte, e morte de cruz. E Ele também é o cabeça da Igreja, que a amou sacrificialmente, a fim de apresentá-la “gloriosa, sem mácula nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” (Ef 5:23). Então, quando homem e mulher vivem suas devidas funções, estão se tornando semelhantes a Cristo e glorificando-O, tornando Sua imagem e semelhança manifesta ao mundo.

Como mulheres, precisamos de um homem que nos lidere, que lidere os nossos filhos e a nossa casa. A liderança do homem não deve ser como a de um general, abusiva, nem como a de um ríspido ditador, em tirania, mas como a de Cristo, em amor. Homens foram criados para liderar, e John Crotts² nos diz que:

“Deus diz que o esposo é o líder. A única pergunta é se ele é um bom líder ou não!”

Um bom líder precisa de disposição para assumir responsabilidades, tomar decisões, e ser exemplo para sua esposa e filhos, conduzindo-os a buscar mais de Cristo. Ele sabe que um dia se responsabilizará diante de Deus por todos os que estiveram sob a sua liderança, então vela continuamente pela vida e espiritualidade deles. Um bom líder não espera que a sua esposa faça o que lhe compete fazer, mas cumpre o que está a seu encargo, e antes de liderar os outros, lidera a si mesmo, regando uma vida piedosa. É importante ressaltar que a liderança precisa ser desenvolvida em um homem, com a ajuda da graça de Deus atuando na vida dele, a fim de que seja capacitado em sua tamanha responsabilidade. É de grande importância que nós, mulheres, antes de nos comprometermos com um rapaz, atentemos para a sua disposição quanto à liderança, e contemos com a graça de Deus para isso.

Ele é provedor

“Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente” (I Tm 5.8)

Deus instituiu o homem como o provedor da casa, e para isso, ele precisa trabalhar. Disso todas sabemos. Um homem que não gosta de trabalhar, que prefere assistir televisão ou jogar videogame a ir atrás do sustento, irá falhar no suprimento das necessidades de sua família e, consequentemente, no cuidado dos seus. Albert Mohler Jr.³ argumenta que:

“Um verdadeiro homem sabe como segurar um emprego, lidar responsavelmente com o dinheiro e atender às necessidades de sua esposa e sua família.”

Ele precisa ser trabalhador! Lutar pelo sustento, com o seu próprio braço, e não ficar esperando por ele.

E além da provisão financeira, existem outras coisas a serem providas, que fazem parte “do cuidado dos seus”, e que vão além do “colocar o pão dentro de casa”, como Phillip Holmes4 coloca:

“Masculinidade significa apoiar seu casamento e família. Significa prover a eles fisicamente, financeiramente, emocionalmente e espiritualmente. Significa nutrir, humildemente, amor pela sua esposa, mesmo em momentos específicos em que você pense que ela é indigna desse amor, e amar seus filhos até quando eles parecem minimamente merecedores.”

Masculinidade tem a ver com se doar, com viver em sacrifício pelos seus, e pela sua esposa, nutrindo e cuidando dela como cuida do seu próprio corpo (Ef 5:28-29). Nutrindo quanto ao sustento, e cuidando quanto à proteção. Veremos adiante um pouco mais sobre o segundo aspecto.

Ele é forte e destemido

Como já descrito no primeiro texto dessa série, “os encantos da masculinidade bíblica”, a força de um homem não deve ser usada para a brutalidade, nem para a sua mera exibição, mas para o serviço. O homem precisa estar pronto para usar sua força física para proteger sua esposa e seus filhos. Era assim que os homens no decorrer da História agiam, eles eram criados para a guerra, eram talhados para defender a sua família, e a sua cidade, quando não existiam policiais nem exércitos no mundo antigo para fazer isso. É comum vermos histórias de homens que arriscavam suas vidas em busca das princesas, para salvá-las, ou para salvar o reino; e entendemos que força e virilidade sempre estiveram relacionadas com a masculinidade, e essa era a imagem entendida de homem: aquele que arriscava sua vida para o bem de outras pessoas, usando de sua força física para defesa e cuidado delas. Com o passar do tempo isso foi se perdendo, e com o passar do tempo, se torna mais difícil percebermos homens destemidos em nossa realidade. 

Uma mulher precisa de um homem que assume riscos e enfrenta as dificuldades da vida, destemidamente - ele não é covarde, mas ousado e, se possível for, entrega a sua vida por sua esposa (Ef 5:25). Ela não teme, pois ele lhe transmite segurança, e a faz entender que ele sempre estará perto dela, buscando o seu bem, sendo assim como o Senhor é para o seu povo, o seu protetor.

Com todas as características citadas acima, enfatizo que não buscamos um homem perfeito, pois ele não existe, e se existisse, nunca iria querer casar conosco, visto que somos imperfeitas. Não buscamos um homem perfeito, mas um homem que progride na imagem e semelhança do homem perfeito, Jesus Cristo, e isso faz toda a diferença. Casamento é composto por dois pecadores, que ajudam um ao outro na progressividade da imagem de Cristo. Casamento significa dois pecadores de mãos dadas que caminham em direção ao céu. Que o Senhor assim nos ajude!

Thayse Fernandes
________________
¹ LUDY. Eric e Leslie. Sua perfeita fidelidade: a história de nossa corte.
² CROTTS, John. Homens fortes: um guia básico para a liderança familiar.
³ As marcas da masculinidade, Albert Mohler Jr.
4 O Significado da Masculinidade, Phillip Holmes 



Você também pode gostar

6 comentários:

  1. Eu me entristeço vendo as coisas que li, pelo simples fato de não ser como Jesus Cristo, as vezes eu choro de tristeza por não conseguir fazer aquilo que o Senhor tem me chamado para fazer com perfeição.

    Realmente, negar a si para fazer a vontade de quem está ao seu lado não é fácil, e por isso eu me pergunto se sou digno de me casar um dia e tirar uma moça da casa de seus pais.

    O texto é ótimo.

    Mas o que importa é a Glória de Deus e não a nossa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rômulo!

      Jesus nunca disse que iria ser fácil seguí-Lo e cumprir a Sua vontade; pelo contrário, sempre alertou de antemão que o caminho seria apertado, e que os seus seguidores precisariam negar a si mesmos, morrendo a cada dia para que a Sua vida resplandeça neles: isso é ser cristão! O chamado do Senhor para os homens cristãos, assim como para mulheres cristãs, nunca foram tão desafiadores como está sendo em nossos tempos. Por isso, contamos com a graça Dele para avançarmos, e nos esforçamos nAquele que opera tudo em todos, que faz com que todas as coisas cooperem para o nosso bem, sendo o maior bem, a imagem de Jesus Cristo, formada em nós. Isso deve ser o nosso alvo, e onde devem estar concentradas as nossas mais sinceras e devotas orações; e, embora falhando, embora estando distantes, ainda anelamos ser como Jesus! E Ele nos ajuda e nos dá graça, nos tornando em Seu amor, iguaizinhos a Ele, e isso, redunde em glória ao Seu nome!
      Nosso desejo é que o Senhor estenda sobre ti a Sua graça, e te ajude nessa missão! Perseverança sempre, Ele é contigo!

      Que Ele te abençoe

      Excluir
  2. 20 anos de casado. Ela é minha namorada linda, amo deixa-la feliz, Deus tem nos sustentado. Nós dizemos que não existe casamento que dá certo ou errado, existe o casal na direção de Deus, fazer dar certo. Se doando ao outro a cada dia, e sendo feliz, pelo simples fato de estarem juntos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém Júlio!

      Que o Senhor continue os sustentando, sempre com esse entendimento de andar em direção à vontade Dele, sendo assim, felizes Nele.

      Que Ele os abençoe!

      Excluir
  3. Vale a pena esperar em Deus,pois se fazermos as coisas do nosso modo sempre iremos fracassar.
    Hoje tenho a plena certeza que um casamento sem Deus não subsiste.

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto, Glória a Deus por isso!!!

    ResponderExcluir