"Acaso o nosso coração não ardia pelo caminho, quando ele nos falava?” Lucas 24.32

Precioso é Jesus

0 Comentários

"Acaso o nosso coração não ardia pelo caminho, quando ele nos falava?” Lucas 24.32
O último capítulo do evangelho escrito por Lucas nos mostra detalhadamente alguns acontecimentos após a ressurreição de Jesus. A partir do versículo 13 ele relata que dois discípulos (esses não faziam parte do grupo dos 12) seguiam para Emaús, caminhando e conversando com tristeza sobre as coisas que haviam acontecido. No meio do caminho, o próprio Cristo começou a acompanhá-los e pergunta sobre o que estão falando. Um deles questiona: “És o único visitante em Jerusalém que não sabe das coisas que ali aconteceram nestes dias?" Os últimos acontecimentos a respeito de Jesus repercutiram tanto que até os visitantes sabiam. Eles explicam que estavam tristes pelo que aconteceu com Jesus, pois esperavam a redenção que viria dEle, mas já era o terceiro dia.

Apesar de algumas mulheres constatarem que o corpo não estava mais no sepulcro e outras pessoas confirmarem, ninguém o viu. Até então a ressurreição era só um boato, aqueles discípulos estavam tristes porque com a morte de Jesus a esperança deles também havia morrido. Tantas vezes nossa fé depende do que podemos ver! Eles estavam olhando para quem precisavam olhar, mas não perceberam. É aí que Cristo os alerta sobre sua pouca fé, pois enquanto Jesus estava com os discípulos, claramente lhes falava das coisas que iriam acontecer. Seria necessário morrer, mas ele estaria vivo ao terceiro dia.

Então, o que os discípulos fizeram com essas palavras, apenas esqueceram? Isso pode nos gerar questionamentos sobre porque a ressurreição não estava sendo esperada (eles partiram ainda no domingo), contudo, quantas vezes nós também ignoramos ou não entendemos o que o Senhor nos diz? Provavelmente, os discípulos não o reconheceram de imediato por não entenderem quando Jesus falou acerca da ressurreição – um Messias que sofreria? Não podia ser. Além disso, talvez estivessem tão abalados que não conseguiam enxergar a realidade ou tão ocupados em entender e explicar o que havia acontecido que não tinham tempo para desfrutar de sua presença. Não acontece a mesma coisa conosco?
 
O fato é: Jesus ressuscitou como havia dito e como constava nas Escrituras, é o que agora Ele explica aos discípulos. As Escrituras apontavam para Ele, Jesus estava com o Pai desde o princípio, antes que o mundo existisse. Ele é o verbo agente da criação. Ele é a semente da mulher que esmiúça a cabeça da serpente, sendo anunciado nos profetas maiores e menores: em Isaías lemos sobre o servo sofredor que padeceria em silêncio pelos transgressores; em Oséias vemos como Deus, através de um homem, demonstra seu amor incondicional e restaura um povo adúltero. Também podemos vê-lo nos Salmos, conhecer a glória e o sofrimento do Messias, confiar no nosso pastor. Cristo é o centro! É o que os discípulos sabem agora: Ele está em todos os livros, tudo é sobre Ele! O fato de Jesus ter ressuscitado não muda apenas a caminhada daqueles homens, mas o curso de toda a humanidade. Agora há esperança! Houve trevas na sua morte, mas o véu agora está rasgado e o homem pode ter acesso, por meio de Deus, a Deus. Precioso é Jesus!

Acabando a caminhada e a exposição, Jesus fez como quem ia seguir adiante, mas os discípulos não podiam deixar que ele fosse e insistiram para que ficasse. Nós o acharemos sempre que o buscarmos de todo o coração. Cada vez nos dermos conta da nossa necessidade e dependência, ao clamarmos “fica!”, Ele nos fará companhia. Nas palavras de J. C. Ryle:

“O homem que impõe, em oração, um santo constrangimento sobre a pessoa de Cristo, é o que mais desfruta de sua presença.” ¹

O conhecimento do Filho está ligado ao nosso relacionamento com Ele. Jesus se revelou através das Escrituras e foi reconhecido no partir do pão. Deus é um Deus pessoal, aquele de quem podemos não só ouvir falar, mas sentar à mesa e comer.

Logo que os olhos dos discípulos se abriram Jesus desapareceu, então eles comentam entre si: “Acaso não ardia os nossos corações dentro de nós, enquanto ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras?"

Seus corações não estavam queimando sem motivo algum, eles estavam na presença do Senhor e aprendendo sobre Ele! A palavra de Deus é penetrante, sendo a base do nosso fervor espiritual. Cientes de que seu mestre estava vivo, o que iriam fazer agora? Voltaram imediatamente para Jerusalém dizendo que Jesus realmente havia ressuscitado. Os que antes compartilhavam tristeza pelo caminho, agora compartilham a alegria da ressurreição! Que venhamos buscar a preciosa presença do único capaz de aquecer nosso coração e mudar toda a nossa história. Talvez estejamos também tristes e sem esperança como os caminhantes, porém, Jesus cumpre as suas promessas e não nos deixará sozinhas. Ele disse que estaria conosco até a consumação dos séculos, isso implica dizer que temos mais que um companheiro de viagem ou um convidado para o jantar, temos alguém para desfrutarmos para sempre de sua presença. 

Juliany Correia
______________ 
¹RYLE, J. C. Meditações no Evangelho de Lucas. São José dos Campos - SP: Editora Fiel, 2002, p. 386. 



Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Receba nossas postagens