A gratidão é, sem dúvida, uma virtude digna de ser cultivada. John Piper define-a como:

Como obter um coração grato

0 Comentários

A gratidão é, sem dúvida, uma virtude digna de ser cultivada. John Piper define-a como:

"Gratidão é uma espécie de alegria que surge em nosso coração em resposta à boa vontade de alguém que faz (ou tenta fazer) um favor a nós."

A gratidão é uma resposta a alguém, pela benevolência em nos favorecer. É mais do que dizer "obrigado", como Piper bem diz, é uma espécie de alegria, que acompanha o receptor diante do favor de outra pessoa.

O maior benfeitor que conhecemos e que poderia existir é o próprio Deus. Ele tem nos dado muitas dádivas. Na verdade, tudo o que temos, somos e podemos contemplar veio Dele.

"Porque nele vivemos, e nos movemos e existimos." (At 17:28)

Diante disso, é fácil reconhecermos que precisamos ser gratas a Deus. Mas, nem sempre é fácil desenvolvermos um coração grato. O salmista pediu em sua oração:

"Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças  de nem um só de seus benefícios." (Sl 103:2)

Somos fáceis em esquecer os benefícios do Senhor, daí que necessitamos estar sempre os trazendo à memória, relembrando o que Ele já fez e tem feito em nossas vidas, a fim de sermos gratas. Olhe para o passado, encontre nele vestígios do quanto já fostes abençoada pelo Senhor, e seja grata! Bendiga a sua alma por tudo ao Senhor! Por tudo o que Ele tem feito e por tudo o que Ele é.

Somos tendenciosas a olharmos mais para as dificuldades do que para as bênçãos. Somos tendenciosas a nos concentrarmos mais no que não temos, do que para o que já temos. E assim, somos tendenciosas a reclamarmos mais do que agradecermos.

A ingratidão pode nutrir vários outros pecados em nosso coração, como a cobiça, inveja, murmuração, descontentamento, amargura, desânimo, autocompaixão, dentre outros.  A gratidão, todavia, nos leva a estarmos contentes e felizes, e é uma arma poderosa contra todos estes pecados.

A dificuldade em sermos gratas pode estar na falha da nossa cosmovisão quanto a nós mesmas. Em outras palavras, tudo começa a partir da forma em que eu me vejo.

Se eu vejo a mim mesma como uma pessoa boa, tenderei a me ver como merecedora. Verei as pessoas e o mundo como um meio de obter o que desejo, e viverei reclamando quando as coisas não acontecerem da forma que quero, inclusive, das circunstâncias difíceis, pois não as mereço. Mereço uma vida melhor, uma família melhor, uma casa melhor... mereço as bênçãos de Deus porque sou uma pessoa boa. Logo, me colocarei no lugar de vítima, quando for submetida a situações desvantajosas e terei raiva quando os outros tiverem o que não tenho, e conseguirem o que eu ainda não consegui. Ao invés de me alegrar e ser grata pelo o que tenho, sempre encontrarei motivos para estar insatisfeita, pois na verdade, as coisas nem sempre acontecerão como queremos, por não sermos o centro do universo. Mas, a pessoa merecedora tende a se ver dessa forma.

Porém, se eu vejo a mim mesma como dependente e indigna da graça, me admirarei quando coisas boas me acontecerem. À luz do evangelho de Deus, encontramos o fiel retrato do que somos: pecadoras. Entendemos que ofendemos a Deus todos os dias com os nossos pecados. Como poderíamos, então, exigir coisas boas Dele? A única coisa que merecíamos era a condenação. O fato de existir uma saída para este estado se deve à graça de Deus, não à nossa dignidade. E o fato de termos as dádivas do Senhor também se deve à Ele, somente. Quando nos vemos dessa forma, dependentes e indignas da graça, nos maravilhamos com o tamanho amor do Senhor, em nos abençoar tão grandemente, todos os dias, quando o que mais merecíamos era a Sua ira.

O apóstolo Paulo exulta no início da carta aos Efésios:

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo." (Ef 1:3)

Deveríamos ser o povo mais feliz do mundo por termos um Deus tão gracioso. Ele tem nos abençoado com toda sorte de benção espiritual, que estão além de toda riqueza e glória desse mundo. Como diz uma parte da canção "All Have is Christ", de Sovereign Grace:

"Você olhou para meu estado lastimável e me levou à cruz
e eu descobri o amor de Deus revelado
Você sofreu em meu lugar
Você suportou a ira reservada para mim
agora tudo que eu conheço é graça."

Tudo o que conhecemos é graça! A nossa felicidade custou a morte do filho de Deus, que pela sua pobreza, nos torna ricos:

"Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo  rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos." (II Co 8:9)

A pessoa que se vê dessa forma, sempre será grata a Deus, mesmo diante das situações mais difíceis. Esta é a vontade de Deus, que em tudo demos graça (I Ts 5:18)

Vale salientar que a diferença entre as pessoas não está em que uma é boa e outra má. Todas as pessoas são más, a diferença entre elas é se enxergam isso ou não. Por isso, a nossa cosmovisão precisa ser moldada progressivamente à Palavra de Deus!

"E não vos amoldeis ao sistema deste mundo, mas sede transformados pela renovação das vossas mentes, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." (Rm 12:2)

É comum encontrarmos pessoas que reclamam o tempo todo, do casamento, do emprego, dos filhos, da Igreja, e de n situações da sua vida. Todavia, a nossa mente deve estar sendo renovada pela Palavra, e não se encaixando aos moldes desse mundo. Precisamos nos permitir sermos transformadas por ela, dia após dia!

Além de tudo o que já foi escrito acima, a gratidão tem a vantagem de glorificar ao Senhor. Ela tira a glória de nós mesmos e concentra em Deus, como diz John Piper, "a gratidão glorifica o doador. A gratidão reconhece a sua própria necessidade e a beneficência do doador."

Com a gratidão reconhecemos que somos dependentes de outro alguém, que tudo o que temos veio Dele, e assim Lhe damos glória.

Além das bênçãos espirituais, o Senhor também tem suprido as nossas necessidades, físicas, materiais, emocionais... Ele tem nos dado a Sua presença, estado conosco todos os dias, e um dia viveremos com Ele eternamente!

Como podemos, enfim, agradecê-Lo? Exclamando para Ele o quanto somos gratas, em nossas orações, e acima de tudo vivendo uma vida de dependência e confiança. Não poderemos nunca retribuir ao que Deus fez, mas o que Ele pede de nós é a nossa vida, oferecida em sacrifício de amor.

Dedique para o Senhor todos os dias de sua vida. Comece o seu dia, não pensando no que tem que fazer, mas agradecendo por ter acordado, e por ter o que fazer. Inicie a sua semana sendo grata pela semana, dias e anos que Ele tem te sustentado. E quando vierem os motivos para reclamar, se lembre: "Eu não sou o centro do Universo, nem tudo vai acontecer da forma que quero, mas quero louvar ao Senhor porque Ele tem cuidado da minha vida e nada foge do controle Dele." E então, ame-O intensamente, como se estivesse sempre diante de alguém que salvou a sua vida, porque, afinal, foi isso o que Ele fez.

Thayse Fernandes



Você também pode gostar

Nenhum comentário:

Receba nossas postagens