Jonas é o autor do livro que recebeu seu nome, ele era natural da vila de Gate- Hefer, no distrito da tribo de Zebulom e Deus o chamou p...

Grandiosa misericórdia

0 Comentários

Jonas é o autor do livro que recebeu seu nome, ele era natural da vila de Gate- Hefer, no distrito da tribo de Zebulom e Deus o chamou para ministrar na cidade pagã de Nínive. Escrito para os israelitas, o livro trata acerca da salvação de Nínive. A cidade estava passando por um extremo declínio moral, mas o povo de Deus precisava entender que eles não tinham controle sobre o amor e misericórdia do Senhor, antes foram escolhidos para levar sua mensagem ao mundo.

A palavra do Senhor veio a Jonas e a ordem era que ele fosse até a cidade de Nínive. A narrativa do livro inicia com a ordem de Deus e a desobediência do profeta que “fugiu da presença do Senhor na direção de Társis”. Podemos cogitar mais de um motivo para sua fuga, dentre eles o medo de sofrer com a hostilidade dos ninivitas e o fato de prever o arrependimento do povo inimigo, cuja maldade chegou à presença de Deus, assim como havia acontecido com Sodoma e Gomorra (Gn. 18. 20-21).

Ao pegar o navio com o rumo contrário, sobreveio uma tempestade que quase despedaçou a tripulação. Vemos no texto bíblico que o medo foi tanto, que os marinheiros buscaram aos seus deuses e jogaram as cargas no mar para deixar o navio mais leve. Porém, de nada adiantou, pois, o provocador da tempestade dormia no porão. Jonas conta sobre sua fuga e pede para ser lançado ao mar para que a tempestade se acalme. Os marinheiros não só obedecem, como também reconhecem o seu Deus. Clamaram ao Senhor, jogaram o profeta no mar, temeram e ofereceram votos e sacrifícios a Deus. A misericórdia de Deus alcançou os marinheiros.

O profeta ficou três dias e três noites no ventre do peixe, onde clamou ao Senhor. A oração de Jonas não só revela gratidão por não ter morrido na tempestade, mas também reconhece Deus como único capaz de livrá-lo da morte novamente. O Senhor ordena ao peixe que o vomite, e o peixe assim fez. A misericórdia de Deus alcançou Jonas.

Deus manda agora que Jonas anuncie a mensagem ordenada por ele e, de imediato, o profeta obedece. Depois de três dias dentro do peixe, agora é hora de percorrer a grande cidade por três dias clamando por arrependimento. Os habitantes de Nínive creram e se arrependeram. Rico, pobre e até a nobreza se vestiram de pano de saco e jejuaram como forma de humilhação e clamor para que a ira divina não viesse sobre eles. O Senhor viu o que eles fizeram e não executou o castigo que lhes enviaria. A misericórdia de Deus alcançou os ninivitas.

O fato de o povo ter se arrependido e Deus poupá-los de sua ira não deixou Jonas nada satisfeito. Ele afirma que fugiu para Társis porque sabia que o Senhor é paciente e compassivo. Jonas chega ao ponto de desejar a própria morte, mas o Senhor questiona sua ira. O profeta observa de longe a cidade e Deus cuida de perto do profeta, fazendo com que uma planta crescesse para que lhe fizesse sombra e em seguida secasse, o que aumentou ainda mais a ira de Jonas. Mas por que Deus fez isso? Para mostrar sua compaixão e fazer com que Jonas entendesse o alcance de sua misericórdia. O livro termina com um questionamento certeiro:

"Tiveste tu compaixão da aboboreira, na qual não trabalhaste, nem a fizeste crescer, que numa noite nasceu, e numa noite pereceu; E não hei de eu ter compaixão da grande cidade de Nínive, em que estão mais de cento e vinte mil homens que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muitos animais?” (Jn 4. 10-11)

O Senhor é compassivo e paciente, está pronto para nos perdoar e receber o verdadeiro arrependimento. Louvemos, pois, a Ele por ter nos perdoado e redimido, assim como perdoou e deu uma nova chance aos ninivitas! O pai nos concedeu misericórdia para que possamos compartilhá-la. “Nós pecamos contra Deus e Ele nos respondeu com misericórdia. Somos chamados a fazer o mesmo” ¹. Aprendamos que:

A natureza da graça não comporta compulsão.
Gota a gota ela cai, tal como a chuva benéfica do céu.
É duas vezes abençoada,
Por isso que enaltece quem dá e quem recebe. ²

A misericórdia de Deus é a causa de não sermos consumidos (Lm 3.22). O Senhor é bom para todos, e as suas misericórdias são sobre todas as suas obras (Sl 145.9). Todas as veredas do Senhor são misericórdia (Sl 25.10) e sua misericórdia é grande até aos céus (Sl 57.10). Percebemos o quanto isso é real para nós assim como foi para Jonas, os marinheiros e os ninivitas. Todos carecemos de seu perdão e compaixão e de maneira nenhuma poderemos restringir ou questionar sua misericórdia, mas anunciá-la! Seja através de um peixe, um profeta ou uma planta, Deus sempre nos mostrará seu amor.

Juliany Correia
__________________
¹HARVEY, Dave. Quando pecadores dizem sim. Editora Fiel, 2011, (p. 88).
² SHAKESPEARE, William. O mercador de Veneza. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cv000094.pdf, (p.38).



Você também pode gostar

Nenhum comentário: