Um novo ano se aproxima e é normal que façamos planos, estabeleçamos metas, criemos expectativas, sonhemos mais alto, busquemos no...

Planejamento e dependência

1 Comentários



Um novo ano se aproxima e é normal que façamos planos, estabeleçamos metas, criemos expectativas, sonhemos mais alto, busquemos novos objetivos. Talvez você já esteja esperando por uma mudança iminente, mas o fato é que não se pode chegar a determinados resultados sem uma prévia organização.

Você pode estar se perguntando: “Organização? Mas que tipo de organização?” É possível que muitos não considerem uma abordagem teológica deste assunto. Entretanto, nos dias atuais, cada vez mais se pensa em viver com o mínimo de responsabilidades, de forma negligente e até inconsequente. Porém, sabemos que não é essa a vontade de Deus para seus filhos. Ele nos dotou de inteligência e nos instrui a sermos sábias nas mais diversas situações, inclusive, na busca por concretizar nossos objetivos.

Tiago escreve:
Ouçam agora, vocês que dizem: "Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro". Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa. Ao invés disso, deveriam dizer: "Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo" (Tiago 4. 13-15).
Ele não está criticando o planejamento/organização, pois quem planeja revela sensatez. O ponto criticado aqui é fazer planos sem consultar a Deus, sem se submeter à sua vontade e desconsiderando a efemeridade desta vida. Em Provérbios 13.4 lemos que:
“O preguiçoso deseja e nada consegue, mas os desejos do diligente são amplamente satisfeitos."
A diligência implica em planejamento e cuidado empregado na execução de algo. É certo que por mais que projetemos ações, tracemos determinados caminhos, Deus sempre saberá o melhor para nós, aquilo que contribuirá para nos conformar à imagem dEle (Rm 8.29). Contudo, não fuja de suas responsabilidades usando o cuidado de Deus como desculpa. Coloque suas ações diante do Senhor, apresente a Ele seus planos, conte o que você precisa, o que você sonha, onde pretende ir e esteja atento à sua voz. Saiba que nas linhas que você mesmo traça há imperfeição, mas que Ele é um guia por excelência e tudo faz perfeito.

Também é pertinente que consideremos a organização do nosso tempo, pois não poucas vezes nos demoramos em coisas fúteis, não tão importantes e deixamos o essencial por último. Se um de seus objetivos é crescer espiritualmente, você só poderá experimentar este crescimento a partir do momento em que gastar tempo com isso. Nesse sentido, muitas das nossas frustrações advêm da falta de compromisso com o estudo das escrituras e com uma vida de oração frequente. Até começamos bem algumas vezes, mas ficamos pelo meio do caminho. Ainda há o fato de que na urgência de tantas coisas para dar conta, renunciamos o tempo com nossa família, amigos e irmãos na fé, o que é bastante prejudicial para a manutenção dos relacionamentos que Deus nos concedeu. Aquele que não está limitado ao tempo nos presenteou com tempo suficiente para realizarmos o que precisamos, cabe a nós entender o que é prioritário e o que pode esperar, o que pode ser hoje e o que pode não ser. Quando for gastar os minutos preciosos de sua vida, lembre-se do que realmente vale a pena, priorize o Reino de Deus.

Além da organização em relação aos projetos e tempo, organizar seu espaço é importante.  A atividade doméstica é vista por alguns como algo ruim e que nos priva de outros tipos de atividades. A consequência disso é um grande número de pessoas desorganizadas e que não apreciam a limpeza e organização do próprio ambiente. Lemos em Provérbios que uma das características da mulher virtuosa é que ela Está atenta ao andamento da casa, e não come o pão da preguiça” (31.27).

Casadas ou não, com ou sem filhos, é responsabilidade nossa cuidar do ambiente em que vivemos, e não apenas lançar a responsabilidade sobre o outro. Você é muito nova? Estuda e trabalha? Não tem tempo suficiente? Bom, o intuito aqui não é dizer que todas as mulheres devem fazer as mesmas coisas em casa o tempo todo, tampouco discorrer sobre a divisão de tarefas, seja com sua mãe, irmã ou esposo (no caso das casadas). Algumas terão mais tempo, outras não, algumas terão ajuda, outras não. O ponto aqui é: você se importa com a organização do seu lar? Dispor de um ambiente organizado torna melhor os momentos de estudo, de leitura, de oração e comunhão, é um benefício para os que nos cercam e para nós mesmas, podemos glorificar a Deus quando cuidamos da nossa casa.

Não podemos, no entanto, viver uma “idolatria do lar”, certamente você sabe do que estou falando. Nem sempre a casa estará impecável, o quarto estará em ordem e a cozinha arrumada. Em determinados momentos, teremos que privilegiar a melhor parte e, sem dúvidas, não é esta. Lembra de Marta (Lc 10.40)? O serviço em si não é o problema, o problema é quando qualquer tipo de ocupação nos faz perder a melhor parte. Não esqueça que você também é uma casa que precisa de cuidados e edificação frequente.

Dito isto, aproveite os novos dias, organize suas ações, seu tempo, seu lar, mas não seja arrogante a ponto de não consultar Deus e não se submeter à Ele. Essa vida vai passar rapidinho, como uma névoa, de forma que nossa esperança não se limita a este mundo. Todavia, enquanto estivermos aqui, quer comamos quer bebamos, ou façamos qualquer outra coisa, façamos tudo para glória de Deus (1 Co 10.31).

Juliany Correia





Você também pode gostar

Um comentário:

  1. Muito obrigada querida pelas palavras. Com um novo ano vem muitas expectativas e a sensação de que conseguiremos fazer tudo o que desejamos. Obrigada por nos lembrar que vivemos para Deus e não para nós. Deus abencoe

    ResponderExcluir

Receba nossas postagens