Viva o presente (desprendendo-se do passado e do futuro)


A ideia de voltar ao passado em uma espécie de túnel do tempo é associada frequentemente a filmes que causam o deslumbramento do público telespectador, pois afinal, quem não gostaria que esse túnel do tempo fosse real e que pudéssemos de alguma forma retroceder alguns anos? Por outro lado, filmes que retratam uma ida sobrenatural ao futuro também causam admiração, imagina só podermos avançar o curso da nossa história e estarmos no tão desconhecido e misterioso futuro de nossas vidas? Todavia, num apertar e desligar de botões voltamos à nossa realidade e nos deparamos com o presente, o hoje, o agora. Não podemos retornar ao passado nem ir ao futuro, e viver o presente pode se tornar angustiante se não soubermos relacionar corretamente estes três tempos de nossas vidas.

 

Algumas de nós temos a dificuldade de nos desassociarmos do tempo passado, vivendo presas ao que já aconteceu, no que fizemos ou nos foi feito algum dia. Nisso pode se incluir qualquer coisa que tenhamos na memória, desde nossa infância até hoje. Quem sabe seja um trauma passado que reflete em nossas ações, ou uma desilusão amorosa do ex que não nos permite seguir em frente, ou até mesmo pecados que cometemos e carregamos a culpa até hoje. Deixar o passado no passado pode não ser tão fácil como parece. Entretanto, o Senhor nos proporciona a liberdade oriunda de sua graça que nos capacita a avançarmos, ainda que diante das piores situações. Ele nos ensina a sermos como Jesus:

 

"...Corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, sem se importar com a vergonha, e agora está sentado à direita do trono de Deus." (Hb 12:1-2)

 

A nossa vida é comparada a uma carreira, a qual precisamos correr com perseverança, olhando sempre para o Autor e Consumador de nossa fé, Ele que suportou todo o sofrimento dos nossos pecados e hoje está à destra de Deus. O apóstolo Paulo escreveu semelhantemente:

 

"Uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficam para trás e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus." (Fp 3:13-14)

 

Nosso objetivo deve ser avançar. Se mantivermos nossos olhos no que ficou para trás, seremos impedidas de prosseguir em nossa carreira cristã. Para isso, querida irmã, mantenha seus olhos fitos em Jesus, não em qualquer obstáculo. Peça misericórdia a Ele para que Ele cure seu coração de todos os males do passado e te ajude a perseverar em sua carreira cristã.

 

Quanto aos nossos pecados do passado, o Senhor nos garante o perdão. Se confessarmos os nossos pecados, Ele não irá jogá-los à nossa vista, mas nos conceder sua misericórdia por causa de Jesus! O apóstolo Paulo é um exemplo nesse sentido:

 

"E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério; a mim que dantes fui blasfemo, e perseguidor, e opressor; mas alcancei misericórdia, porque o fiz ignorantemente, na incredulidade. E a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e amor que há  em Cristo Jesus. Esta é uma palavra fiel, e digna de toda aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores; dos quais eu sou o principal. Mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim, que sou o principal, Jesus Cristo mostrasse toda a sua longanimidade, para exemplo dos que haviam de crer nele para a  vida eterna” (I Tm 1:12-16)

 

Martyn Lloyd Jones comentando sobre esse texto disse:

 

“Note o que o apóstolo diz: o que ele declara aqui, é que, de certa forma, o  Senhor Jesus Cristo o salvou para o apresentar como exemplo. Um exemplo em que sentido? Um exemplo para  aquelas pessoas que sentem que o seu pecado, de um modo ou de outro, ultrapassa os limites da graça e da  misericórdia de Deus. O argumento do apóstolo é que o seu próprio caso é prova suficiente, de uma vez por  todas, que nunca devemos arrazoar dessa forma.”¹

 

Não existe pecado que seja “tão grande” que a graça do Senhor não possa superabundar. Através de Cristo, Ele nos concedeu não apenas o perdão, mas a justificação, de uma vez para sempre. Isso significa que o Senhor vê em nós a justiça de seu próprio filho! Isso não é maravilhoso? Temos a justiça de Cristo! Seja então, amada irmã, livre dos pecados do passado! Concluo essa parte sobre o passado com as palavras de Martyn Lloyd Jones outra vez:

 

"Sou o que sou" — não importa o que tenha sido o meu passado. E o que sou? Perdoado, reconciliado com  Deus pelo sangue de Seu Filho derramado na cruz. Sou um filho de Deus. Fui adotado na família de Deus, e sou herdeiro com Cristo, co-herdeiro com Ele. Estou a caminho da glória. É isso que importa — não o que eu era,  não o que eu fiz. Então, se o inimigo está atacando você nesta área, faça o que o apóstolo fez. Volte-se para ele e  diga: "O que está dizendo é verdade. Eu fui tudo o que você está dizendo. Mas não estou interessado no que eu  era, mas no que sou, e eu sou o que sou pela graça de Deus!"¹

 

Outras de nós temos a dificuldade de nos desligarmos do tempo futuro, ansiando conhecer o que virá, com temor ou mesmo desespero diante do que não conseguimos prever. O desconhecido pode nos trazer insegurança por ser algo que está fora de nosso controle. Vencemos o medo do futuro com a confiança na soberania de Deus. Jesus disse: “não vos inquieteis com o dia de amanhã.” (Mt 6:34). Pois assim como Ele cuida dos pardais e dos lírios do campo, muito mais tem cuidado de nós que somos filhas do Pai celestial.

 

O que você teme quanto ao futuro? O que tem tirado sua paz quanto ao que pode ou não acontecer? Descanse seu coração em saber que nossa fé repousa em um Deus que controla nosso futuro. O que será amanhã não sabemos, mas temos certeza que será o melhor para nós por ser permissão de nosso Pai, confiemos então em Sua vontade.

 

O outro lado do estar presa ao futuro, é estar tão focada nele que sonhamos acordadas, extasiadas com a esperança de dias melhores, os quais aguardamos com ansiedade. Não há nada de errado em pensar ou desejar o futuro, o erro está em idolatrá-lo. Nossa segurança precisa estar em Deus e agir dessa maneira faz com que estejamos descontentes com o presente. Vencemos a idolatria ao futuro sendo gratas pelas bênçãos que temos hoje, olhando para o que já temos e não para o que gostaríamos de ter. Além de que, o nosso futuro pertence a Deus. Ao invés de pensarmos como será ou o que faremos, sigamos a orientação de Tiago, pensando: “se Deus quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo.” (Tg 4:15). Que o Senhor nos conceda graça para que tenhamos contentamento e gratidão no presente e coloquemos nossa segurança Nele.

 

Por que estou falando sobre todas estas coisas? Porque estarmos presas ao passado ou ao futuro é tão danoso que pode fazer com que desperdicemos o único tempo que podemos de fato conduzir e desfrutar, o presente. Cada dia que abrimos os nossos olhos ao raiar de cada manhã é uma nova oportunidade que o Autor da vida está nos concedendo para que desfrutemos aquele dia singular, que não irá voltar. O Senhor Deus se importa com a forma que vivemos. Ele não apenas se importa, como também nos alerta sobre aproveitar o nosso tempo de maneira sábia.

 

“Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus.” (Ef 5:15-16)

 

Eu já havia lido e ouvido esse texto várias vezes, mas nunca havia percebido como era desafiadora a necessidade de vivê-lo, e o quanto meu coração relutava em desprezar as várias oportunidades que o Senhor me dava, quando deveria aproveitá-las ao máximo! Infelizmente, temos a facilidade de sermos insensatas e não sábias, por isso precisamos orar pedindo graça ao Senhor para que sejamos prudentes na maneira em que vivemos. Uma coisa que precisamos aprender é que se nosso dia não se iniciar de joelhos não teremos êxito em todo o restante dele. Somente Deus pode nos dar a capacidade de aproveitarmos o presente como Ele deseja, em casa, no trabalho, na escola ou universidade, não importa onde, quando, com quem... Precisamos desfrutar ao máximo cada oportunidade que o Criador nos dá. Por isso, é necessário manter um relacionamento cultivado com Ele, dia após dia. Não venceremos se lutarmos apenas com as nossas forças.

 

Remir o nosso tempo exige que estejamos completamente presentes no presente. A nossa vida passa tão depressa para estarmos ocupadas com outra coisa que não seja o agora!

 

“Os dias da nossa vida sobem a setenta anos ou, em havendo vigor, a oitenta; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque tudo passa rapidamente e nós voamos.” (Sl 90:10)

 

Que viver completamente o presente e remir o tempo aproveitando ao máximo cada oportunidade seja o anseio do nosso coração, ainda que saibamos que iremos falhar, mas o Senhor é digno disso. Ele merece que vivamos com excelência todos os dias que determinou para nós, e fazemos isso estando no centro da Sua vontade, vivendo para Ele, não para nós. Cumprindo a Sua e não a nossa vontade. Amando mais ao seu Reino do que este mundo. E embora isso inclua luta constante, podemos ter a certeza que quando chegarmos diante Dele naquele grande dia olharemos para trás e pensaremos: valeu a pena!

 

Thayse Fernandes

__________________

¹ LLOYD-JONES: D. Martyn. Depressão espiritual. Editora PES.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.