C. S. Lewis é um dos escritores que mais gosto, sua maneira singular de tratar determinados assuntos explica o fato de suas obras serem ...

Indicação: “Cristianismo puro e simples” – C. S. Lewis

0 Comentários

C. S. Lewis é um dos escritores que mais gosto, sua maneira singular de tratar determinados assuntos explica o fato de suas obras serem conhecidas no mundo inteiro. O crítico literário nasceu na Irlanda e tornou-se professor de Literatura Medieval e Renascentista em Cambridge, foi ateu por muitos anos, mas a graça de Deus o alcançou em 1929.

O “mais relutante dos convertidos”, como ele mesmo se intitulou, foi convidado para fazer uma série de palestras radiofônicas durante a Segunda Guerra Mundial, cuja versão impressa originou o livro “Cristianismo puro e simples”. Neste livro, Lewis busca explicar que o cristianismo se aplica a todas as áreas da vida, como o sol que se pode ver e que ilumina todo o resto. O autor afirma que pode servir melhor aos seus semelhantes se explicar e defender a fé comum a todos os cristãos em todos os tempos, isto é, explicar o cristianismo como é e sempre foi, antes mesmo que ele existisse. O objetivo de Lewis é que seus ouvintes/leitores se perguntem se as doutrinas cristãs são verdadeiras e que honestamente atentem para as evidências ao invés de ignorar os fatos por causa do orgulho ou gosto pessoal.

Inicialmente, Lewis discorre sobre os padrões de moralidade e como a compreensão do certo e do errado se baseiam em algo maior, ele explica que para os cristãos é a mente de Deus que está por trás da Lei Moral. A partir daí, começamos a entender no que acreditam os cristãos e nos deparamos com a famosa defesa a respeito da divindade de Cristo:

“Estou tentando impedir que alguém repita a rematada tolice dita por muitos a seu respeito: ‘Estou disposto a aceitar Jesus como um grande mestre da moral, mas não aceito a sua afirmação de ser Deus’. Essa é a única coisa que não devemos dizer. Um homem que fosse somente um homem e dissesse as coisas que Jesus disse não seria um grande mestre da moral. Seria um lunático – no mesmo grau de alguém que pretendesse ser um ovo cozido – ou então o diabo em pessoa. Faça a sua escolha. Ou esse homem era, e é, o filho de Deus, ou não passa de um louco ou coisa pior. Você pode querer calá-lo por ser um louco, pode cuspir nele e matá-lo como um demônio; ou pode prosternar-se a seus pés e chama-lo de Senhor e Deus. Mas que ninguém venha, com paternal condescendência, dizer que ele não passava de um grande mestre humano. Ele não nos deixou essa opção, e não quis deixa-la. (p.69)

Ao tratar sobre a conduta cristã, Lewis nos faz pensar em questões relacionadas à virtude, moralidade social e sexual, casamento, perdão, entre outras. Nesse ponto do livro, percebemos que o autor critica a atitude de algumas pessoas que não examinam o cristianismo para descobrir como ele realmente é, mas apenas para apoiar sua própria opinião ou posição política, buscando um aliado, quando na verdade temos um juiz.

A última parte trata algumas questões relacionadas à trindade e destaca a oferta que o cristianismo nos faz. “Cristo nos oferece algo por nada; na verdade, oferece tudo por nada.” Através da ação de Deus podemos compartilhar da vida de seu Filho, amaremos o Pai como o Filho o ama e o Espírito Santo despertará em nós.

Esta obra é mais uma daquelas que todo cristão deveria ler e reler. Este é o livro que sempre indico para meus amigos cristãos e também não cristãos que querem saber mais sobre o cristianismo. Lewis não poderia ser mais brilhante ao encerrar seu livro com a seguinte assertiva:

"Perca a sua vida para salvá-la. Submeta-se à morte, à morte cotidiana de suas ambições e dos seus maiores desejos e, no fim, à morte do seu corpo inteiro: submeta-se a ela com todas as fibras do seu ser, e você encontrará a vida eterna. Não guarde nada para si. Nada que você não deu chegará a ser verdadeiramente seu. Nada que não tiver morrido chegará a ser ressuscitado dos mortos. Se você buscar a si mesmo, no fim só encontrará o ódio, a solidão, o desespero, a fúria, a ruína e a podridão. Se buscar a Cristo, e encontrará; e, junto com ele, encontrará todas as coisas."  (p.300)

Isto posto, fica claro o que o autor quis destacar. O cristianismo não é sobre mim nem sobre você, é sobre Cristo! Não é sobre o que nós fizemos, mas sobre o que Ele fez e como isso afeta tudo ao nosso redor. A partir do momento que entendemos isso, entendemos de fato o sentido da nossa vida e em que consiste ser um cristão.

Informações do livro:
Título: Cristianismo puro e simples
Autor: C. S. Lewis
Editora: Martins Fontes
__________________
Juliany Correia



Você também pode gostar

Nenhum comentário: