Há um bom tempo algumas pessoas me indicaram este livro, mas somente agora encontrei o momento oportuno para lê-lo. O autor da obra, Dav...

Indicação: “Quando pecadores dizem sim” - Dave Harvey

0 Comentários

Há um bom tempo algumas pessoas me indicaram este livro, mas somente agora encontrei o momento oportuno para lê-lo. O autor da obra, Dave Harvey, é pastor e serve a igrejas no Nordeste dos EUA, também atua como supervisor do trabalho missionário do ministério Sovereign Grace e das estratégias de fundação de igrejas, além de dirigir o envolvimento do Sovereign Grace na Europa.

Em linhas gerais, o livro trata sobre o pecado e a graça, mostrando como isso se aplica no contexto do casamento. O autor parte da assertiva de que para chegarmos ao âmago do casamento, devemos lidar com o âmago do pecado. Não podemos ignorar o nosso pecado e suas consequências na vida de outrem, a realidade pecaminosa é terrível e, ao mesmo tempo, é o contexto onde o evangelho brilha mais.

Dez capítulos compõem este livro e o primeiro ressalta que o que realmente importa no casamento é a forma como vemos a Deus, pois “o que acreditamos sobre Deus determina a qualidade de nosso casamento” (p.17).  Todos somos teólogos e a maneira que construímos nossos casamentos é baseada em nossa teologia, assim, a bíblia é o alicerce mais seguro para construirmos um casamento e Cristo é o ponto de referência para todas as nossas atitudes nesse contexto.

No capítulo seguinte, é enfatizado que o fato de nos reconhecermos pecadores nos faz lamentar e, ao mesmo tempo, louvar pela misericórdia de Deus.

“Uma forte consciência de pecaminosidade anda frequentemente lado a lado com uma grande alegria e confiança em Deus” (p.33).

Após isso, o autor destaca a o fato de que estamos em guerra contra o pecado e precisamos considerar a seriedade disso, somente os ingênuos pensam que pode haver diversão em um combate. O pecado nos impede de fazer o que queremos (Rm 7), é astuto, sedutor e nos engana, mas mesmo que seu poder aja sobre nós, o seu domínio foi destruído.

“Nosso verdadeiro oponente não está do outro lado da cama, e sim dentro de nosso coração. Nosso inimigo são os desejos do nosso coração que se opõem aos desejos do Espírito. Esse é o mais feroz e único inimigo do nosso casamento. Temos de conhece-lo bem.” (p.53)

O capítulo quatro tem como foco a ortopraxia, isto é, como a doutrina é posta em prática. Dave afirma que o progresso vem quando colocamos em prática a nossa teologia e experimentamos o que ela pode fazer. Além disso, ele aponta que é necessário “suspeitar” de si mesmo e inspecionar-se, para então focar na graça imerecida em vez de atentar apenas para as próprias necessidades não satisfeitas. Quando olhamos para nós mesmos antes de olhar para o outro, passamos a entender que estamos sujeitos às mesmas falhas.

O enfoque seguinte é na misericórdia, pois ela muda o sabor dos relacionamentos. Apenas por causa da misericórdia as diferenças profundas que existem no casamento são conciliáveis, esta misericórdia é proveniente de Deus e devemos compartilhá-la. Harvey também afirma que a grande inimiga da misericórdia é a justiça própria:

“A justiça própria é um senso de superioridade moral que nos revela como acusador da pecaminosidade de outras pessoas. Nos relacionamos com os outros como se fôssemos incapazes de cometer os pecados que eles cometem. A justiça própria faz guerra contra a misericórdia” (p.82)

Assim, a principal mensagem deste capítulo é que pecamos contra Deus e Ele nos perdoou, nos respondeu com misericórdia, somos chamados a fazer o mesmo. A misericórdia triunfa sobre o juízo.

“A misericórdia nunca se esgota porque é capaz de cobrir tudo que toca. Ela torna agradável tudo que toca porque é vinda do céu – do próprio trono do Salvador misericordioso. A misericórdia é uma bênção para aqueles que recebem e aqueles que dão. Receba toda misericórdia que você puder. E não se esqueça de passá-la adiante” (p.88)

 O autor prossegue tratando sobre o perdão pleno e gratuito, Dave afirma que o perdão é essencial no contexto do casamento assim como nas demais áreas:

“O perdão não é coisa de santos extraordinários. O perdão está no centro do evangelho e, por isso, deve ser uma característica que identifica todo crente” (p.102)

No sétimo capítulo, utilizando o exemplo de Natã e Davi, Harvey oferece orientações sobre como tratar o cônjuge em pecado, destacando que às vezes o amor deve colocar a paz em risco por causa da verdade. Ele ainda ressalta que, ao mesmo tempo em que temos que exercer misericórdia e reter o juízo, devemos também corrigir e falar a verdade a quem amamos.

Nos capítulos posteriores o autor nos mostra que a graça de Deus é o que nos permite correr junto a alguém e, embora estejamos em uma luta constante contra o pecado, a vida cristã não consiste apenas em lidar com o pecado:

“A graça de Deus se manifestou com um poder tão resoluto, que não permitirá que o pecado vença no final. Essas são notícias extraordinárias para a jornada do casamento” (p. 139)

Sobre assuntos relacionados ao sexo tratados no penúltimo capítulo, a obra traz uma perspectiva de que no casamento o sexo protege e que a bíblia não separa proteção de prazer, assim:

“Servimos ao nosso cônjuge com nossa sexualidade de duas maneiras: proteção da tentação sexual e concessão de direitos conjugais” (p.146)

O autor ainda frisa: “Deus se preocupa tanto conosco que oferece sua amorosa orientação até para os aspectos mais íntimos da vida.” (p.148)

“Quando pecadores dizem adeus” é o capítulo que encerra este livro, focalizando em assuntos como envelhecimento, limitações e morte. O destaque é que qualquer perda, dor ou sofrimento aqui, não se compara com a glória futura, de modo que:

“Embora nosso casamento seja bastante real para nós, neste mundo, ele é apenas uma sombra da realidade que experimentaremos quando Cristo vier para reivindicar sua noiva.” (p.170)

O modo com Dave Harvey nos faz pensar a respeito da realidade do casamento, gera uma profunda reflexão sobre a verdade do evangelho. Sua obra não se limita a oferecer prescrições sobre o que fazer ou não no casamento, antes, nos mostra um panorama da tensão central do relacionamento dos casados, que é a tensão entre pecado e graça. Portanto, se você já disse “sim” ou se está prestes a dizer, e até se ainda não disse, a leitura deste livro será bastante enriquecedora e edificante, pois suas páginas revelam de forma confortadora a genuinidade da graça de Deus sobre nós.

 Informações do livro:
Título: Quando pecadores dizem “sim”
Autor: Dave Harvey
Editora: Fiel
__________________
Juliany Correia



Você também pode gostar

Nenhum comentário: